James Rieck e a importância dos detalhes


O artista americano James Rieck cria intrigantes retratos hiper realistas a partir de imagens publicitárias antigas. Em seu trabalho vemos apenas recortes de cenas, onde são retratados detalhes das roupas, posturas, mas nunca seus rostos. 

"Eu não me concentro no rosto em minhas pinturas, eu direciono a atenção para a linguagem corporal não dita dos modelos. Muitas vezes é um gesto ou postura que me interessam. Sabemos que a roupa é usada para nos cobrir - elas sempre falam sobre o que estamos escondendo de nós mesmos e dos outros. "

The Happy Room

A designer Cristina Celestino assina uma coleção de móveis chamada THE HAPPY ROOM, que estréia no próximo mês no Salão de Design de Miami, e foi inspirada no universo da marca de luxo italiana FENDI. O projeto funcionará como sala VIP itinerante, viajando por diversas lojas da rede ao redor do mundo, proporcionando aos clientes experimentar inovação e tradição através do design de interiores.

 

Hermes por StoreyStudio

A loja da Hermes em Seattle, projetada pelo StoreyStudio, é um ambiente que desafia o cliente a experimentar uma nova maneira de interação com o espaço. As formas curvas, os recortes e a utilização de cores fortes em harmonia com grandes áreas neutras criam novas possibilidades de exposição dos produtos, que nesse caso, se tornam peças fundamentais para composição do cenário.

A Auto Ajuda de Johan Deckmann

Johan Deckmann é um psicoterapeuta e artista plástico dinamarques, que aproveita sua dupla jornada para encher de significado seus trabalhos. Ele tem desenvolvido capas de falsos livros de auto ajuda bastante irreverentes e criativas. Para ele, suas duas profissões estão intimamente interligadas: "Eu acredito na arte como um tipo de ferramenta terapêutica. As palavras podem ter um efeito tão forte quanto o tema ou as cores certas."

A Casa de Azulejos

Jean Pierre Raynaud inaugurou em 1974, sua casa/instalação composta inteiramente de azulejos brancos. La Maison De La Celle-Saint-Cloud ficava em Paris, e nela tanto paredes, piso, teto quanto o mobiliário fixo foram revestidos com azulejos de cerâmica brancos de 15cm x 15cm com rejunte preto. Coberto com um artigo produzido em larga escala, o arquiteto queria produzir um espaço absoluto, controlado por uma diagramação regular.

A casa foi fechada ao público em 1988 e foi demolida em 1993. Os fragmentos restantes são exibidos em várias instalações no Museu de Arte Contemporânea de Bordeaux.

Jean-Pierre-Raynauds-La-Maison-de-La-Celle-Saint-Cloud-Yellowtrace-47.jpg

Design de Interiores na Coreia do Norte

O fotógrafo e escritor Oliver Wainwright criou um Tumblr com uma seleção incrível de imagens de diversos ambientes norte-coreanos. Ele ressalta que além de todos os espaços parecerem cenários dos filmes de Wes Anderson, mobiliário e decoração são simetricamente calculados e o esquema de cores remete ao universo pré escolar.
"É a arquitetura como anestésico, uma ferramenta poderosa para o Estado infantilizar seu povo".